Arquivo de Autor

Quatro dicas de linguagem corporal para suas apresentações

Falar com segurança e ter uma boa oratória bastam para se comunicar bem em uma apresentação? A resposta é não! Acredite, a linguagem corporal transmite muito mais informações sobre nós do que a comunicação verbal. A série Lie to Me (Engana-me se Puder) fez enorme sucesso tendo como protagonista o pesquisador Cal Lightman, que desvendava fraudes e mentiras estudando apenas as expressões faciais dos suspeitos. O personagem é inspirado em Paul Ekman, um psicólogo norte-americano que estudou povos de diversas partes do mundo e revelou como descobrir se a pessoa fala a verdade por meio de suas expressões faciais.

Continue lendo Sem Comentários

Como superar o medo de falar em público nas suas apresentações?

O que há por trás do medo de falar em público? Antes de conhecer algumas técnicas para falar em público sem medo e com confiança, é importante frisar que qualquer pessoa tem capacidade para falar a um grande número de pessoas. Se esconder atrás de uma suposta timidez para enfrentar esse bloqueio pode trazer limitações para o crescimento profissional e pessoal. Apresentar um novo projeto para a equipe no trabalho, entrar em cena em um teatro, fazer uma palestra com sua história de vida, perguntar na reunião na escola dos filhos, enfim, tudo isso é possível com um pouco de esforço e de consciência sobre nosso próprio corpo.

Continue lendo Sem Comentários

Storytelling para encantar a audiência

Você talvez nunca tenha prestado atenção, mas o storytelling invade o nosso dia em diversas situações. Filmes, séries, comerciais de televisão, vídeos das mídias sociais, livros policiais, romances e em outros tantos tipos de conteúdo, o storytelling é aquele elemento que faz o espectador ficar vidrado em uma tela até o vídeo terminar ou o leitor devorar centenas de páginas de um livro em pouco tempo. Para reter a atenção, o storytelling conta com diversas técnicas que estão sendo cada vez mais utilizadas por marcas e empresas para fortalecer o relacionamento com seus clientes.

Continue lendo Sem Comentários

O que é funil de vendas e como montar o seu

Ter um bom processo comercial, com funil de vendas bem definido é essencial para crescer em qualquer mercado. Um funil de vendas tem várias etapas, que devem ser monitoradas de forma precisa para fornecer dados consistentes para a estratégia de marketing ou indicar uma correção de rota ao longo do processo.

O que é funil de vendas?

Explicando de forma simples, o funil de vendas é um processo que monitora o status de um cliente em potencial na jornada de compra. Revela passo a passo desde o primeiro contato de prospecção, cada ligação, reunião, apresentação de proposta, até a concretização da venda e, a depender do caso, o pós-venda. Esse modelo também é chamado de pipeline (tubulação, em português). É importante não confundir o funil de vendas com o funil de marketing. Embora eles sejam similares e complementares, são diferentes.

Etapas do funil de vendas

Enquanto o funil de marketing é dividido em 3 ou 4 partes (descoberta do problema, reconhecimento, consideração da aquisição e decisão de compra), o funil de vendas é se divide diferente em cada caso, mas podemos aqui comentar etapas típicas para grande parte dos negócios B2B.

Topo de funil

O processo começa com o primeiro contato do prospect, seja seu vendedor abordando o cliente numa prospecção ativa, seja o cliente solicitando atendimento por e-mail ou qualquer outro canal. Cada interação nessa fase de reconhecimento e qualificação deve ser mapeada e listada como uma etapa distinta no funil. Os esforços do topo do funil são em maior parte focados na qualificação das oportunidades, ou seja, em identificar quais prospects tem perfil adequado para compra, necessidade relevante o bastante, orçamento suficiente, dentre outros critérios.

Meio de funil

O meio da jornada comercial costuma se caracterizar pela elaboração e apresentação da proposta comercial. Aqui o vendedor já possui muitas informações adquiridas nas etapas anteriores, mas pode ser preciso solicitar dados específicos para dimensionar o projeto a ser apresentado. A missão nesta etapa, é elaborar uma proposta que atenda às dores apresentadas pelo cliente potencial e esclarecer quaisquer dúvidas que ele venha a ter. Quando o teor das conversas deixar de ser o produto, serviço ou projeto e começarem a negociar termos, significa que a oportunidade está em sua fase final.

Fundo de funil

Na última etapa, o cliente em potencial já foi qualificado, projeto dimensionado, proposta apresentada e dúvidas esclarecidas. O fundo do funil costuma possuir uma única etapa, que é a Negociação. É fundamental registrar todos os fatos, dados e resultados desta fase para compreender quais são as principais objeções dos clientes, quais argumentos tem melhor motivado a compra, quais os perfis de clientes que tem melhor convertido, quem tem declinado suas propostas e porquê.

O fundo de funil pode ser sucedido por uma quarta etapa, o atendimento pós-venda. Principalmente para as vendas complexas, nas relações B2B, um pós-venda será o determinante para uma renovação ou para o cliente voltar a procurar sua empresa.

Por que definir e alimentar um funil de vendas se minha empresa funciona sem ele?

Embora você possa conseguir vender sem um funil de vendas, quando você precisar ampliar suas vendas ou reduzir os custos no processo comercial, onde você deve mexer? Não há como otimizar um processo que não é mensurado.

A primeira entrega que a elaboração do funil de vendas lhe fará é repensar e padronizar seu processo comercial. Esta padronização provê mais controle ao gestor e reduz a dependência dos vendedores. Além disso, medindo a taxa de conversão de cada etapa (quem avança e quem deixa de negociar), é possível saber qual é o gargalo do seu processo, ou seja, em que etapa você está perdendo negócios também comparar o desempenho dos vendedores permitindo investigar quais práticas tem funcionado melhor para seu negócio.

Uma boa gestão dos processos comerciais, além das vantagens citadas, proporciona previsibilidade de resultados na medida em que as taxas de conversão vão se confirmando e este último benefício é o “santo graal” de qualquer gestor.

Se você está familiarizado com ferramentas de CRM, invista nelas para conduzir seu processo comercial e caso ainda não os conheça muito bem, não se intimide. Pegue seus post-its, escolha uma parede, comece a trabalhar seu funil de vendas e descubra o mundo maravilhoso das metodologias de vendas.

Continue lendo Sem Comentários

O senso de urgência vai te ajudar a vender mais

Em negociações complexas, onde há dificuldades relativas a orçamento, ajustes de processos ou quaisquer outros desafios, por maior que seja a necessidade, enquanto o cliente potencial puder evitar ou procrastinar a decisão, ele fará. Não deveria ser assim, mas na grande maioria dos casos é. Então como criar um senso de urgência para que o prospect feche negócio no menor tempo possível?

Continue lendo Sem Comentários

WhatsApp