Arquivo de Autor

Marketing financeiro: gere mais confiança e atraia consumidores

Marketing financeiro - gere mais confiança e atraia consumidores

Já faz tempo que bancos, financeiras etc., perceberam ser possível expandir negócios. E uma das principais maneiras foi investindo em campanhas que reduzam a distância entre o tema e o consumidor. Não só tem funcionado como impulsionou um ramo hoje fundamental, o do marketing financeiro. 

Neste artigo veremos: 

  • O que é marketing financeiro? 
  • Por que investir nessa estratégia?  
  • Como funciona o marketing financeiro 

O que é marketing financeiro? 

Divulgar instituições financeiras, este é o maior propósito da estratégia que estamos abordando. Isso significa que, além de bancos, seguradoras, assessorias financeiras, empresas investidoras ou de recuperação de crédito, escritórios contábeis, entre outras organizações, têm essa ferramenta à disposição. 

O objetivo é estender as fronteiras dos negócios. Desde conquistar novos clientes a aprimorar a comunicação com eles ou melhorar o posicionamento no mercado, as possibilidades são inúmeras. 

Por que investir nessa estratégia? 

Falar sobre dinheiro, aplicações, juros ao ano, tarifas, taxas, etc., costuma parecer algo complexo para muitas pessoas. Vira um fator limitador para novos negócios, pois cria distância entre empresas e consumidores. 

Aí está uma das vantagens do marketing financeiro: facilitar a compreensão do tema, desmistificar conceitos e romper tabus. Ou seja, aproximar as pessoas desse universo de maneira leve e humanizada. Faz parecer fácil cuidarmos de nossas próprias finanças. 

Outra vantagem, claro, é atrair clientes e aumentar as possibilidades de negócios. Após educar e engajar o público, valorizar a autoridade da empresa, o caminho fica mais curto para o sucesso. 

Como funciona o marketing financeiro 

Na essência, o ponto de partida é bem semelhante aos outros tipos de marketing. Primeiro, deve-se planejar e estruturar uma estratégia de conteúdo. Isso engloba etapas como definir: 

  • Objetivo; 
  • personas
  • Linguagem a ser adotada; 
  • Conteúdos
  • Metas (quantidade de conteúdo a ser produzido, tráfego e engajamento desejados, vendas, etc.); 
  • Cronograma editorial; 
  • Técnicas de SEO

Também será necessário escolher os canais mais eficazes dentro do setor financeiro. O blog é uma alternativa certeira. Você consegue abastecer o público com informações variadas e endereçadas a cada etapa do funil de vendas

Pode, ainda, nortear as demais ações a partir do que posta – por exemplo, que temas aprofundar em um e-book, o que abordar em webinares, podcasts, vídeos para YouTube e nas redes sociais. Desse jeito, você cria todo um cenário favorável a atrair a atenção do público para sua empresa. 

Por onde começar 

Quando se fala em setor financeiro, naturalmente, pensamos em bancos. Porém, há outros tipos de empresas e públicos. Por isso, é importante ter clareza quanto ao ramo, clientes e mercado, e daí abordar os assuntos que sejam relevantes para atingir os resultados esperados.
Considere o seguinte: 

  • Aborde as principais dúvidas das personas 
  • Use linguagem simples e descomplicada 
  • Aproveite o máximo de canais 
  • Mensure e analise resultados 

Depois, chega o momento de planejar como aplicar sua estratégia de marketing financeiro. E aqui vão mais algumas dicas: 

Explicar a área de forma fácil 

Uma boa maneira de aproximar o público e converter clientes é proporcionando segurança. Não apenas segurança nos serviços oferecidos, mas na compreensão das vantagens que a empresa oferece. Ou seja, fazer com que as pessoas (em sua maioria leiga na área financeira) conheçam minimamente conceitos, funcionamento e por que vale a pena investir em determinada opção. 

Interatividade 

Além de “mastigar” detalhes e processos aos usuários, com conteúdos interativos, você tem a chance de coletar dados sobre eles. Por exemplo, um simulador de investimento no site de sua empresa. 

Transmissões ao vivo 

Excelente ferramenta de engajamento, com a qual você pode tratar de tendências, novidades, vantagens de determinados serviços, diferenciais de sua empresa para o dia a dia do cliente, demonstrações. Com as transmissões ao vivo (lives), você reforça a autoridade da companhia ao mesmo tempo em que abre diálogo direto com o público (pelos comentários). 

Vídeo 

As possibilidades com os vídeos são inúmeras. Você pode oferecer desde tutoriais de seus serviços/produtos a aulas, treinamentos, conteúdos evergreen, etc. Para marketing financeiro, o audiovisual tem uma força e tanto. 

Podcast 

Ótima ferramenta para apresentar novidades, informar, detalhar temas, tirar dúvidas. E isso pode ocorrer em variados formatos: comentário, entrevista, bate-papo descontraído. 

Guest post 

Estratégia de SEO que ajuda a criar autoridade para a página da empresa nas pesquisas dos buscadores e para quem navega pela internet. Também gera aumento de tráfego, por meio de backlinks

Continue lendo Sem Comentários

Eventos híbridos serão a nova tendência no mercado?

Eventos híbridos serão a nova tendência no mercado

Quando o mundo se aprofunda nas tecnologias digitais e ainda enfrenta uma pandemia, os cenários se transformam com rapidez. Diversos negócios estão se adaptando ao contexto gerado pela covid-19. Uma das apostas é o formato que integra presencial e virtual, por exemplo, aquela que virou uma das tendências mais fortes: os eventos híbridos. 

Neste artigo, veremos: 

  • O que é evento híbrido? 
  • Principais tipos 
  • 5 exemplos de nichos 
  • Quais são os benefícios? 
  • Como realizar eventos híbridos 

O que é evento híbrido? 

Evento híbrido caracteriza-se por ocorrer com a presença de público ao mesmo tempo em que é transmitido ao vivo na internet. Ao contrário de uma transmissão convencional, o participante remoto tem uma experiência próxima da que teria se estivesse no local. 

Esse tipo de realização ganhou espaço nos últimos anos, a partir dos caminhos criados pelo universo digital. Porém, a pandemia promoveu um largo salto nesse sentido. E conforme a vacinação avançou, o cenário se redesenhou. O formato híbrido tornou-se, então, uma saída viável para diversos setores do mercado. 

Principais tipos 

Podemos destacar três tipos básicos de eventos híbridos, no que se refere à estrutura: 

Participantes remotos 

Aos participantes presenciais somam-se os remotos, sendo que todos contam com as mesmas possibilidades de interação. 

Palestrantes remotos 

Um ou mais palestrantes participam, por meio de videoconferência, de evento com público presencial. 

Multi-hub meeting 

Tipo complexo de ser realizado e, por isso, menos visto. São eventos presenciais que ocorrem simultaneamente em mais de um local (cidades, estados e países), todos conectados. Os participantes interagem entre si. 

Para que tudo flua com a qualidade esperada, é necessário haver planejamento e padronização de aparato tecnológico. 

5 exemplos de nichos 

Durante a pandemia, alguns setores têm explorado tanto os eventos híbridos que vale a pena citar cinco deles: 

  • Congressos, simpósios, fóruns e seminários; 
  •  convenções de vendas; 
  •  Shows artísticos; 
  •  E-sports (esportes eletrônicos); 
  •  Lançamentos de produtos. 

Quais são os benefícios? 

Por que tantas empresas têm adotado os eventos híbridos? Bem, a resposta vem na forma de seus benefícios. Vamos a alguns dos melhores: 

Público maior 

Abrir a possibilidade para a participação remota é expandir os horizontes. Você atinge um público muito mais expressivo do que só com os participantes presenciais. 

Amplia possibilidades 

Eventos híbridos permitem desdobramentos que favorecem novos negócios e a fidelização de mais clientela. Com os conteúdos gerados, você aumenta o engajamento nas redes sociais e reforça as estratégias em todas as etapas do funil

Patrocinadores mais interessados 

O fato de ter uma janela de exposição ampliada é tentador para os patrocinadores. Imagine ter perspectivas ainda melhores para expor seus produtos e serviços. É aumentar as oportunidades de engajamento e conversão de clientes. Seu negócio, por outro lado, encontra novas formas de patrocínio. 

Viu só? Investir em eventos híbridos é uma ótima maneira de conseguir público maior e ainda reduzir custos com estrutura. Em tempos de pandemia, também joga a favor das medidas de segurança (que, lógico, continuam válidas) – você evita grandes aglomerações. Entre outras coisas, o resultado é um retorno por investimento (ROI) melhor. 

Como realizar eventos híbridos 

Uma boa estratégia requer procedimentos específicos. Para o tema que estamos abordando, estes seriam: 

Objetivo e público-alvo 

O passo inicial é definir para que e para quem pretende realizar o evento. 

Planejamento 

Com objetivo e público-alvo definidos, será preciso planejar as ações para dar conta do recado. Isso inclui estabelecer o tipo de conteúdo, a experiência dos participantes, as interações entre todas as partes (público, palestrantes/convidados, organização), a divulgação. Organize, então, a programação. 

Infraestrutura 

É fundamental que o aparato tecnológico a ser utilizado garanta qualidade, do início ao fim. Então, contrate uma equipe de profissionais qualificados para cuidar da transmissão ao vivo e orientar como preparar tudo da melhor maneira. 

Mensure resultados 

É sempre válido analisar os resultados de uma estratégia. No caso de um evento híbrido, isso significa examinar métricas como o número de participantes (presenciais e remotos), o retorno por investimento, o feedback de participantes e palestrantes. De posse dessa avaliação, seu negócio consegue visualizar o terreno e aprimorar futuras ações similares. 

A Monolito tem experiência em realização de eventos híbridos. Contate nosso time para planejar o seu. 

Continue lendo Sem Comentários

Por que aplicar guest post em sua estratégia de conteúdo

Por que aplicar guest post em sua estratégia de conteúdo

Manter um site ou blog abastecido com conteúdo de qualidade é uma necessidade. Tem que dar duro e se dedicar com seriedade, comprometimento e criatividade. Porém, às vezes, também vale a pena reforçar o caldo. Isso pode ser feito por meio de artigos de autores convidados, ou seja, guest posts. 

Veja abaixo os temas que abordaremos: 

  • O que é guest post? 
  • Benefícios e vantagens 
  • Estabeleça sua meta 
  • Como escrever um guest post de qualidade? 
  • Quando devo propor um guest post? 

O que é guest post? 

Você já se deparou com o artigo de um autor que escreveu a convite do site ou blog em que saiu o conteúdo? Provavelmente, sim. Essa é a essência de um guest post, que na tradução livre significa “postagem convidada”. Normalmente, essas pautas reforçam o material da página sobre o tema. Tanto você pode ser um autor convidado (guest blogger) como pode convidar alguém a escrever para sua página. 

Benefícios e vantagens 

Aos sites/blogs em que sai esse tipo de conteúdo, os benefícios são, principalmente, credibilidade e mais acessos. Imagine ter o papa em um assunto escrevendo para sua página. Se souber divulgar bem, conquistará bastante tráfego e autoridade

Quem escreve esse tipo de conteúdo também tem vantagens. Vejamos algumas destas: 

Divulgação do trabalho 

Dá para ampliar sua rede de publicações e, com isso, seu nome ganha mais expressão. Além de engordar o portfólio, provavelmente a quantidade de trabalho aumente. 

Público-alvo ampliado 

Escrever para sites e blogs variados é uma boa maneira de levar seu nome mais longe. Mais pessoas têm acesso ao que produz, gerando novos leitores e interessados. 

Posicionamento de mercado 

Com uma carteira variada de clientes e público ampliado, seu nome tende a ganhar credibilidade na praça. Você acaba se tornando uma referência. Esse status também se reflete nos mecanismos de busca, que passam a te atribuir maior relevância. 

Publicidade grátis 

Quando as pessoas gostam do que você faz indicam seu nome. Esse é um nível desejado por muitos, já que se cria esse tipo de publicidade gratuita, a do boca a boca. Um reflexo justamente do posicionamento que atingiu no mercado. 

Estabeleça sua meta 

Você já deve estar com os dedos coçando para sair escrevendo e ir atrás de páginas em que publicar. Mas calma! Em vez de fazer a coisa na pressa, é bom se planejar. Ou seja, refletir sobre o que deseja com seus conteúdos. Qual é sua meta? 

Para te ajudar a clarear as ideias, aqui vão três objetivos básicos: 

  • Conquistar reconhecimento no mercado 
  • Aumentar exposição e tráfego para seu site 
  • SEO: atrair links externos 

Como escrever um guest post de qualidade? 

A ideia de se tornar um autor requisitado é tentadora, não? Contudo, você só conquistará uma condição assim se produzir com qualidade. Para isso, tem que pesquisar e trabalhar sem pressa. 
E mais: faça um levantamento das páginas em que gostaria de publicar. Compreenda a linha editorial, os formatos, os assuntos, aspectos assim. 

Aqui vão mais dicas: 

  • Produza conteúdos relevantes 
  • Alinhe seu texto ao perfil editorial do site (negritos, aspas, caixa alta, etc.) 
  • Inclua links internos e externos 
  • Revise o que escreveu 

Quando devo propor um guest post? 

Não existe uma regra quanto à melhor hora para propor um artigo. Porém, há ocasiões que podem favorecer sua sugestão. Por exemplo: se um site fizer menção a você nas redes sociais – o que costuma ser a chance de ouro – ou então por vias mais tradicionais: o site anuncia que está precisando de autores convidados ou já utiliza profissionais assim. 

Fundamental aqui é lembrar de se preparar bem. Em outras palavras, manter seu blog sem

Continue lendo Sem Comentários

Co-marketing encurta o caminho para o sucesso de seu negócio

Co-marketing encurta o caminho para o sucesso de seu negócio

Quando duas companhias resolvem trabalhar em parceria, percebem que podem chegar mais longe com os resultados com custos reduzidos para cada. Não se trata de milagre. Isso é a essência por trás do co-marketing. 

Neste post, tratamos do seguinte: 

  • O que é co-marketing? 
  • Co-marketing x co-branding 
  • Inúmeras vantagens 
  • Acerte com a estratégia 
  • Materiais que podem ser produzidos 

O que é co-marketing? 

Quando duas empresas se juntam para desenvolver um produto e a estratégia de promoção para o mesmo público, praticam o co-marketing. Por exemplo, uma marca de óculos de sol une forças com uma rede de óticas para lançar uma nova linha, com ações na internet, rádio e TV. 

Co-marketing x co-branding 

Dois conceitos que, embora dividam semelhanças, são diferentes. Co-marketing é uma ação conjunta, do início ao fim, cujas conquistas resultam das ações da unidade formada pelas marcas envolvidas. Ou seja, valem na mesma medida para todas. 
Já no co-branding, ainda que companhias se juntem, as conquistas têm reflexos específicos para cada envolvida. É uma colaboração que serve para ressaltar as qualidades das marcas. Uma ajuda a alavancar a outra. 
Uma referência boa dessa estratégia foi a linha Rock In Rio do modelo Fox, carro da Volkswagen. Uma ação de co-branding entre a montadora e o mundialmente conhecido festival brasileiro de música. 

Inúmeras vantagens 

Além de selar relações amigáveis no mercado, seus negócios têm inúmeros e tentadores benefícios com o co-marketing. Veja alguns deles: 

Alcance potencializado 

Investir esforços em uma campanha incrível significa colher resultados igualmente incríveis. Agora, quando se trabalha em parceria, você ganha um reforço extra. Isso significa ampliar o número de pessoas para as quais estará se direcionando. Como? Oras, aproveitando o público de seus parceiros. 

Redução de custos 

Além de contar com um público maior, você gasta menos com as ações. O projeto funciona como uma unidade, logo, conquistas e gastos são divididos entre todas as marcas envolvidas. Nada mau, hein? Ainda mais se o orçamento é limitado. 

Redução de trabalho 

Antes que você dê um pulo de alegria, vamos explicar. Não é que no co-marketing sua folga ganha vez. Todos dão duro, só que a carga de trabalho é proporcional, repartida entre os envolvidos. Há exceções, lógico, mas em geral é assim que funciona. 

Autoridade 

“Diga-me com quem andas e eu te direi quem tu és”. Você provavelmente conhece esse ditado popular. E é mais ou menos esse o espírito deste benefício. Quando unimos forças com outras empresas acabamos ganhando moral – ainda mais se elas já são referências. Estabelecer parcerias com grandes nomes acarreta em credibilidade e respeito. 

Acerte com a estratégia 

Para que seus planos ganhem vida de forma bem-sucedida, é preciso observar alguns pontos. O primeiro deles é saber escolher a parceria ideal. Essa é a chave para que o resto funcione. 

Aqui cabe uma dica: não vá atrás de concorrentes diretos ou de marcas que trabalhem com o mesmo produto/serviço que a sua. A escolha de um parceiro deve levar em conta aspectos como: 

  • ter produto/serviço que complemente o seu; 
  • ser uma empresa referência de mercado; 
  • o público-alvo deve ser o mesmo que o seu. 

Depois de definida a parceria para a empreitada, dedique tempo criando um planejamento detalhado. Ou seja, estruture os objetivos, os materiais a serem trabalhados, o cronograma e a divisão das tarefas de cada um (esta última é bastante importante). Coloque tudo no papel. 
Por fim, avalie os resultados, analisando métricas e KPIs, e faça os ajustes necessários de modo a afiar ainda mais as ações. 

Materiais que podem ser produzidos 

As ações da parceria podem usar de variados materiais. Aqui vão possibilidades: 

Gostou da ideia? Então, que tal pensar em uma estratégia de co-marketing para sua empresa? Podemos te ajudar nisso. Entre em contato conosco.  

Continue lendo Sem Comentários